ff

Séries - series@portoalegre.net
sábado, 14 de julho de 2012
Vilãs de novela - de Yvonne Maggie

A novela Avenida Brasil está fazendo enorme sucesso, mas uma pergunta paira no ar tanto para muitos telespectadores quanto para mim. Quem é a vilã dessa história? Ou melhor, nesta trama existe uma vilã? A história até agora prossegue sem que se saiba exatamente distinguir as más das boazinhas. Emanuel Carneiro é mestre nessa estratégia. As personagens do bem e do mal, de início, não são bem delineadas. Lembremo-nos  de A favorita.  Outros autores já construíram diversos tipos de vilãs, como por exemplo, as cômicas, que nos fazem rir, como Teresa Cristina em Fina Estampa, do magnífico Agnaldo Silva. Quem poderia gostar de Teresa Cristina? Nem os próprios filhos. Apenas o mordomo servil que conquistou o público por ser absolutamente identificado com a feminilidade de sua patroa, e para quem ela deixou a maior parte de sua herança.
 
Em Avenida Brasil o mal está presente sem a menor sombra de dúvida e até agora parece concentrar-se  na figura de Carminha. Mas, como me disse um motorista de taxi, Nina faz mal a todo mundo que tem por ela um sentimento de amor. Ela não pode ser a personagem boa da novela, mesmo que no final consiga provar que a malévola Carminha é um lobo em pele de cordeiro, vai ser difícil Nina mostrar ter trilhado o caminho do bem.
 
Nina, Carminha, Monalisa, Zezé, Jana, Muricy, Ivana, Noêmia, Alexia, Verônica, mãe Lucinda, Suelen, Olenka, Tessália e as meninas Ágata e Paloma, formam um conjunto diversificado de mulheres entre homens perversos, com exceção do maravilhoso e ingênuo Tufão, que só perde em ingenuidade para o jogador que não marcou o pênalti do final do campeonato de 1950, o namorado de Muricy. Ah, e o time de futebol inteiro do Divino, inclusive o que se tornará marido de Suelen, a Maria chuteira, para encobrir sua homossexualidade, é feito de jovens “naturalmente” bons, ingênuos e vivendo para um sonho maior do que apenas obter riqueza e ostentação.
 
Os personagens da novela – talvez com exceção de uma das mulheres de Cadinho, Alexia, de família rica decadente – subiram na vida, inclusive todas as empregadas domésticas da trama, mesmo a Zezé que mora em uma comunidade, com exceção de Nina, fazem parte da nova “classe C”, ou da nova classe média. A maioria caminha na corda bamba sem  distinguir o bem do mal.
 
Se João Emanuel Carneiro teve a intenção de tratar de um tema tão atual conseguiu e, mais ainda, descreveu um Rio de Janeiro de hoje, como fazia Nelson Rodrigues nos anos de 1950 na sua famosa coluna A vida como ela é. Nelson Rodrigues era cronista de futebol e também retratava os jogadores deforma atavicamente boa. A história de Avenida Brasil se passa em torno de um personagem tão real quanto um Garrincha ou um Romário. A vida na  “mansão” é um resumo das vidas de muitos desses jogadores e da nova classe média com pouco estudo e muito acesso ao crédito e ao consumo. Uma casa cheia de empregadas, de pequenas tragédias e muita intimidade. Personagens  vilãs que não são vilãs e boas que podem virar más estão ali para nos fazer pensar sobre a vida como ela é hoje, ou como parece ser.
 
Novela é coisa séria, afinal, grandes escritores escreveram histórias em capítulos, lidas diariamente e acompanhadas com muita ansiedade no chamado romance de folhetim. No século XIX, neste  gênero , no qual brilharam Joaquim Manoel de Macedo, Machado de Assis e José de Alencar, os capítulos eram publicados no pé de página dos periódicos. Assim como as novelas de hoje, prendiam os leitores com um vertiginoso transcorrer de acontecimentos que retratavam a nova vida das cidades. Os dramas de então certamente eram diversos, mas os caminhos para o leitor ou o ouvinte se prenderem à história continuam os mesmos.
 
Como no folhetim, a vida brasileira está presente nas novelas, e os dilemas morais da nossa sociedade são vividos pelas heroínas da história, tanto hoje quanto no século XIX.  O romance de folhetim e a novela apresentam dramas humanos, dos mais inquietantes e agonísticos, aos mais frívolos e cotidianos. Em Avenida Brasil, que os brasileiros seguem com o coração na boca, o tema central é quase dostoievskiano, e às vezes me sinto no meio da luta travada na consciência de Raskónikov, de Crime e castigo, quando vejo Nina e Carminha, duas personagens geniais, em suas constantes maquinações. Ambas, uma totalmente ciosa, perseguindo um desejo de vingança, outra, absolutamente amoral, representam dilemas contemporâneos que podem ser resumidos na expressão banal: Os fins justificam os meios? É justo se vingar, e até assassinar  alguém que foi responsável pela morte de seu pai ou de um ente  querido?

Postado por WM Internet as 10:01 e tem 0 comentarios
0 Comments:

Postar um comentário

Voltar ao blog



Posts mais recentes Posts mais antigos

 
Google
 

 

Últimos Posts

The Newsroom - melhor monólogo da história de séri...
As Capitais das Séries de TV!
Criminal Minds terá nova integrante da equipe!
Avenida Brasil - histórias de empregadas?
Avenida Brasil continua arrebatando fãs
Fox divulga calendário
“Avenida Brasil” faz sucesso também nas redes soci...
Bones vai terminar?
Pretty Little Liars voltou!
Novela que parece série?

Arquivos

Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Janeiro 2014

 

 

 

WM INTERNET